Artigos Especiais - Games

Especial | Horizon e o nosso mundo

Fonte: Destructoid

Jogar Horizon Zero Dawn veio como uma surpresa para mim. Já havia ouvido falar muito bem do game, mas a experiência de jogar e ver aquele universo maravilhoso podendo ser explorado de diversas formas – desde a gameplay até o modo foto – me deixou super empolgado e com o coração quentinho.

O game de ação/aventura, desenvolvido pela Guerrilla Games e exclusivo de Playstation 4 entra naquela lista de “must have” do console, e posso citar dois bons motivos. Primeiramente que depois do fraco Killzone: Shadow Fall, o fato de a Guerrilla apresentar uma IP nova e com uma proposta tão interessante – e que funciona – já é um ótimo motivo. Já é o segundo é a sua história que, apesar de demorar um pouquinho pra começar a fazer sentido é excelente.

Deste ponto em diante, falarei a fundo na história do game, tentando fazer um paralelo com nosso mundo. Aproveito para deixar claro que o texto contem spoilers do game, então caso ainda não tenha jogado, recomendo que salve o texto nos favoritos em seu navegador e que venha ler e debater na seção de comentários assim que concluir sua aventura. E se possível, compartilhe o texto com os amigos que gostaram do game.

Sem mais delongas, comecemos!

Elisabet Sobeck

Um holograma de Elisabet. (Fonte: Wiki Fandom HZD)

Como é explicado no game, Elisabet “Lis” Sobeck nasceu em 11 de março de 2020. Lis era uma garota prodígio e isso garantiu que aos 13 anos já tivesse alcançado uma graduação pela Universidade de Stanford, aos 16 um Bacharel em Ciência da Computação e aos 20 um Doutorado em Robótica e Inteligência Artificial. Isso garantiu a ela uma vaga na “Faro Automated Solutions” (ou FAS), onde com dois anos de serviço já ocupava o cargo de Cientista Chefe.

Lis trabalhou para a Faro por 8 anos, ajudando na criação e design de robôs ecológicos que ajudaram a resolver grande parte dos problemas do meio ambiente daquela década (2040). Ela veio a sair da empresa de Ted Faro, assim que o mesmo criou uma divisão armamentista em sua empresa, na qual utilizava os mesmos robôs que Lis ajudou a criar. Um ano depois Lis fundou a Miriam Technologies, com foco total em ajudar o meio ambiente.

Com a criação da divisão armamentista, Ted Faro se tornou bem sucedido, mas também se tornou um babaca, e tendo Miriam Tech como uma competidora direta da divisão ambiental da FAS, começou a atacar a empresa de forma judicial. Como disse, Faro se tornou um babaca, mas além de tudo, ele não era como Lis. Já no ano de 2064, 16 anos depois, desesperado, Faro entra em contato com Elisabet, pois havia feito besteira.

Em meio a todas as suas criações de máquinas, ele desenvolveu uma que tinha funções semelhantes a um enxame de insetos, onde temos uma “rainha” e a mesma pode produzir hordas com mais máquinas. O problema é que foi implantado um sistema que as torna capazes de hackear qualquer inimigo. Ted Faro, no intuito de chamar a atenção dos militares, fez algo pior ainda: instalou um sistema operacional impossível de ser descriptografado. Nisso, um dos enxames começou a apresentar sinais de que possuía inteligência própria, não obedecendo a comandos  externos.

A única saída na visão de Ted era pedir ajuda a Elisabet. Mesmo com o passado conturbado, Lis aceita e analisa a situação. As máquinas se tornaram independentes e a Terra tinha sido tomada pela “Praga Faro” e o pior, tinha cerca de 15 meses até a extinção (mesmo nível que o Ultron, de Vingadores). Ao ser direta e clara com Faro sobre a ameaça iminente, o mesmo age de modo infantil e a princípio se nega a colaborar, mas no final aceita a única solução possível. Essa solução seria o Projeto Zero Dawn.

Projeto Zero Dawn: Uma Nova Esperança

GAIA Prime, local onde o Zero Dawn foi implantado (Fonte: Wiki Fandom HZD)

O projeto Zero Dawn é o espelho de toda a inteligência e capacidade de Elisabet, entretanto para dar certo ele exigiu diversos sacrifícios, o que pôs a moral de todos os envolvidos em cheque. Como parte do projeto, o general Aaron Herres foi a público e divulgou o projeto “Enduring Victory”, que foi basicamente uma guerra em vão de toda a população contra as máquinas, com o objetivo de ganhar o tempo necessário para que o Projeto Zero Dawn pudesse ser implantado com sucesso.

O general forneceu a Lis uma grande equipe para pôr o Projeto Zero Dawn em prática e as mentes mais incríveis de várias partes do mundo vieram participar. A situação era tão séria que uma vez que tivessem visitado o local eles tinham três escolhas: aceitar o serviço, viver indefinidamente sem contato com o mundo ou sofrer eutanásia involuntária.

Mesmo com muitas escolhas difíceis, logo o Projeto Zero Dawn começou a ganhar forma. Elisabet – diferente de Tony Stark – conseguiu criar uma Inteligência Artificial perfeita. Batizada de GAIA, o sistema se dividia em 9 partes, sendo Apolo e Hades as mais importantes. Apolo seria um banco de dados com todo o conhecimento da agora “antiga civilização”, fazendo com que a “nova civilização” não cometesse os erros do passado. Já Hades era um sistema de segurança caso GAIA falhasse em trazer a vida de volta à Terra.

 A inteligência artificial criada por Lis foi um sucesso. Ela não só era inteligente, como também era capaz de ter sentimentos e empatia pelas pessoas. Não foi intencional, mas isto deixou Lis muito feliz. Apesar das vidas perdidas, o Projeto Enduring Victory funcionou e garantiu que o Projeto Zero Dawn pudesse ser implantado a tempo na Terra, em um local batizado com o nome GAIA PRIME.

Dia Zero é o nome pelo qual o dia em que a Terra foi extinta pelos robôs de Faro ficou conhecido, e a partir de então toda a equipe que compunha o Projeto Zero Dawn decidiu viver em GAIA PRIME até que pudessem concluir o projeto. Um tempo depois eles finalmente conseguiram terminar de implantar o Projeto Zero Dawn, mas uma das vedações da base apresenta mal funcionamento, liberando energia suficiente pra chamar a atenção dos Robôs de Faro.

O sacrifício de Elisabet Sobeck

O único jeito de resolver o problema seria de forma manual, e enquanto o grupo discute qual deles faria isso, Elisabet decide que ela mesma daria um jeito na situação. Com uma armadura capaz de sobreviver ao caos presente fora da proteção dos bunkers, Lis consegue consertar a vedação, mas para isso pagou um alto preço: ela não teria mais qualquer chance de retornar para o lado de dentro.

Com o Projeto Zero Dawn a salvo e a certeza de que sua morte era só questão de tempo, Lis decide ir até os restos da sua casa de infância. Chegando lá ela conversa com GAIA e a mesma pergunta se ela nunca quis ter filhos. Lis responde que nunca teve tempo, mas que se tivesse gostaria que ela fosse curiosa, obstinada e com compaixão suficiente para curar o mundo. Durante o game descobrimos que Aloy é essa “filha”, e ela é exatamente do jeito que Lis gostaria que fosse.

Ted Faro e como ele quase comprometeu o Zero Dawn

A cara do homem que quase destruiu a humanidade (Fonte: Wiki Fandom HZD)

Mesmo com o sacrifício de Elisabet e com o Projeto Zero Dawn completo, nem tudo estava resolvido de vez. Lis era a única pessoa que conseguia manter Ted em seu lugar, sem que o mesmo fizesse mais besteiras do que o normal. Com sua morte, Ted voltou a aprontar e por pouco não causou a extinção de qualquer coisa viva na Terra.

Devido ao grande sentimento de culpa que o perseguia, Ted achou que Apolo só traria destruição para as futuras gerações, e por isso decidiu que iria destruí-lo. Sem Lis para detê-lo, Ted não só destrói Apolo como mata toda a equipe do Projeto Zero Dawn, evitando assim que Apolo jamais pudesse ser refeito.

Apesar disso, a Terra foi salva, uma nova civilização foi criada com natureza, animais e agora, MÁQUINAS. Por conta da falta de Apolo as pessoas voltaram a ser ignorantes em relação a tudo. Com exceção das máquinas, tudo no mundo ainda é tribal, mesmo cerca de 1 milhão de anos depois do Projeto Zero Dawn.

Semelhanças de Horizon com o nosso mundo

Depois de ler essa mini-enciclopédia você deve estar se perguntando onde o “nosso mundo” se encaixa nessa história. Muitas coisas são meras analogias, enquanto outras já são uma realidade e se continuar dessa forma, teremos uma espécie de “Praga Faro” em alguns anos.

Ainda que a realidade do jogo se aplique num longínquo futuro, a de Elisabet começa em 2020. Mesmo sendo  no futuro, ela lida com problemas que já temos atualmente. Entretanto, a parte onde o jogo mais foca é no quesito ambiental, da desinformação das pessoas e como certas pessoas com muito poder em mãos podem causar um estrago enorme.

Como já mencionei, Lis se tornou uma peça única no cenário de sua geração e graças à sua inteligência e conhecimento foi capaz de resolver o maior problema ambiental já visto até então. Sim, com robôs e tecnologia, Elisabet Sobeck criou um meio auto-sustentável para salvar o meio ambiente. Em contrapartida tivemos Ted Faro tomando escolhas duvidosas e das quais ele não sabia quão perigoso poderiam ser.

Mesmo com Elisabet naquela realidade, por causa da ganância e também do medo, a raça humana quase foi extinta de uma vez por todas. Nós não precisamos – ainda – de uma Elisabet Sobeck, mas pesquisas indicam que se não mudarmos a forma como vivemos no quesito ambiental, daqui a apenas 12 anos o dano será irreparável.

O ponto é que se começarmos a agir agora talvez tenhamos uma chance e um Projeto Zero Dawn não seja necessário – e ainda que fosse necessário, não sei se algo assim pode chegar a existir. Posso estar sendo muito pessimista – ou não -, mas infelizmente estamos em uma época onde a quantidade de Ted Faros é enorme e o pior, já estão com poder em mãos.