Conecte-se com a Torre

Opinião | Um Forte Abraço, Gamers

Artigos

Opinião | Um Forte Abraço, Gamers

A política em nossa cultura gamer, e o gamer em nossa cultura política. Existe separação? Ansiosos com essa possibilidade, gamers se encontraram no epicentro de alguns escândalos que são, acima de tudo, políticos.

“Tirem a sua política dos meus games!”, gritam os gamers irritados com a nova onda de ‘lacração’ que vem amaldiçoando suas franquias favoritas. Protagonistas femininas com roupas mais funcionais e comportadas, relacionamentos de outras orientações que não a heterossexual, homens que outrora eram máquinas musculosas de matar agora possuem sentimentos… É simplesmente demais pra suportar.

“Há, hoje, uma clara e agressiva campanha contra a masculinidade, que já afeta de forma preocupante os aspectos básicos da nossa cultura”, afirma o Secretário Nacional de Incentivo e Fomento à Cultura. “[isso é] resultado de uma ideologia muito bem planejada e orquestrada, que visa eliminar completamente o ethos masculino da imaginação popular ocidental”.

Essa onda maligna comunista se alastrou não só por Hollywood, mas já consome diversos meios como Netflix, Globo, Google, e até o McDonald’s – um dos poucos símbolos do capitalismo que restavam. Sem contar vários nomes na mídia que nada mais são que comunistas infiltrados: Drauzio Varella, Gabriela Prioli, os membros do Porta dos Fundos, Felipe Neto… (fonte: lista atualizada de comunistas). Há até quem ousou atribuir o movimento nazista à direita! E essa onda, aos poucos, chegou também à indústria de games.

Já são poucos aqueles que agora se intitulam “Red Pills” – uma referência ao filme “Matrix”, onde a pílula vermelha representava a verdade e o autoconhecimento (a “saída” da Matrix) e a pílula azul o retorno à ignorância da Matrix. O usuário do Twitter Kim D. Paim estava certo ao afirmar que “os animes são o último bastião que sustenta a direita conservadora”. Qualquer nerd/gamer que se preze, hoje, precisa ser cuidadosamente seletivo. Seus quadrinhos de super-heróis, seus games de tiro, seus filmes de ficção científica… Nem mesmo a série de Sandman, obra de Neil Gaiman, se salva. Todos precisam enfiar um personagem trans, uma mulher musculosa, ou alguma baboseira LGBT – é fácil se sentir como Neo em Matrix desviando de balas.

Entra o ano de 2018: Em meio a essa inexorável tempestade de ‘mimimi’, uma luz corta as trevas e plana no céu como a redentora salvação de todos nós: políticos gamers!

Finalmente alguém que nos entende! Alguém para nos representar, que veste a camisa daquilo que mais importa. Telefonemas para jogadores profissionais, vídeos jogando games em realidade virtual no conforto de suas humildes casas, memes contra a esquerdalha que tanto insiste em macular as obras irretocáveis de nossas infâncias… Tudo parece um sonho. Mas eles ainda iam além: eles prometeram reduzir os impostos sobre os games. Alguém me belisque!

A esperança dos gamers

É um novo mundo. O mundo que casters e jogadores profissionais se sentem em casa – que coloca as mulheres em seu devido lugar. Afinal, elas só querem se aproveitar de seus atributos físicos para ganharem views; elas sequer entendem dos jogos.

O mundo perfeito para os gamers que não são politicamente corretos. Até que enfim vão entender suas piadas, seu “humor negro”. Os haters vivem recortando lives em momentos fora de contexto da mesma forma que fazem com as falas do presidente. Agora a zoeira está bem representada.

Isso considerando apenas o lado cultural. Se pensarmos que este novo governo está bem representado também na justiça e na economia, com seus ministros, temos também a garantia que a ‘roubalheira’ irá acabar (e assim, teremos nosso dinheiro de volta), como também a economia vai decolar (com o dólar caindo e nosso poder aquisitivo subindo). Some tudo isso com a queda dos impostos sobre a indústria de games e você consegue entender a empolgação.

Qualquer um vai conseguir comprar seu Playstation 5 no lançamento, e os jogos ficarão cada vez mais baratos. É provável até que a Nintendo volte para o país, com todos os seus jogos em português do Brasil, já que a pirataria sequer vai valer a pena.

Quer mais uma, e cabal prova? Agora temos games e animes na TV aberta! Sim, a Kalunga, que possui um time de e-Sports – a Red Canids – comprou a infraestrutura da antiga MTV num leilão e vai usar o canal 32 para transmitir seu canal Loading. Vários funcionários incríveis foram contratados dos mais diversos portais, como IGN, The Enemy e até SporTV para trabalhar nesse projeto. Além disso, diversos animes clássicos e novos da Funimation serão transmitidos, e, o melhor, 100% dublados!

Claro, nem tudo são flores no paraíso. Certas pessoas simplesmente não conseguiam enxergar como tudo estava mudando para melhor. Por exemplo, diversas mulheres que não estavam contentes com o tratamento que alguns homens da comunidade de League of Legends deram a elas, e iniciaram uma onda de “exposed” no Twitter, denunciando abusos e assédios de diversos jogadores e profissionais envolvidos com o game.

Houve também (mais um dentre inúmeros) casos onde o canal Xbox Mingau foi denunciado pela comunidade gamer por racismo em suas piadinhas, com clipes em suas lives e memes compartilhados nas redes sociais. A Microsoft Brasil, que ainda representa bem os gamers, resistiu por um tempo, mas cedeu à pressão e obrigou o canal a retirar a marca “Xbox” de seu nome – além do grupo ter seus canais excluídos pela Twitch e Youtube diversas vezes. 

Nem os Battletoads se safaram de virar um símbolo….

Tentando remediar a situação, um pouco tempo depois a Microsoft contratou como apresentadora da Xbox Brasil a influenciadora Isadora Basile, à época com 18 anos. Contudo, membros da comunidade já têm uma opinião muito bem formada sobre “mulheres gamers”, e fez questão de mostrar isso constantemente para a apresentadora. A solução encontrada pela Microsoft foi demiti-la.

E bom… Talvez esteja um pouco difícil comprar um Playstation 5 devido à falta de unidades disponíveis no mercado. Os vendedores que conseguem garantir o produto, o revendem por cerca de oito mil reais. Afinal o dólar também não para de subir. Mas isso não significa que o nosso poder aquisitivo não está bom, até porque a Sony decidiu aumentar o valor de seus games pois, segundo eles, “os preços de alguns jogos na PS Store está alinhado à nossa constante avaliação das condições de mercado”.

O fato de eu estar e mais 14,8 milhões de brasileiros estarmos desempregados (a taxa mais alta desde 2012) nada tem a ver com o governo, é simplesmente culpa das pessoas que insistem no lockdown por causa desse vírus potencializado pela mídia. No que dependesse do governo eleito pelos gamers, tudo teria continuado operando normalmente, sem sequer a necessidade do uso de máscaras que tanto incomoda – ignorem o fato de que mais de 500 mil brasileiros já morreram. Hoje em dia, qualquer morte eles escrevem que foi covid para derrubar o presidente.

E por falar em desemprego, a equipe editorial inteira de eSports da Loading foi demitida pois queriam lacrar em suas matérias e trazer jornalismo sério (ao invés de só falar coisas positivas como a gerência queria). Pouco tempo depois, sem nenhum aviso prévio, todos os outros quase 60 funcionários foram demitidos também. Depois de menos de seis meses no ar, o canal decidiu transmitir apenas reprises de animes. A justificativa foi a falta de patrocínio (da própria Kalunga, que é dona do canal?).

O fato é que canais de TV são concessões públicas (precisam de licitação do governo, não podem simplesmente ser comprados). A antiga MTV pertencia à Abril, que ganhou a licitação, hoje não usava mais o canal mas não queria devolvê-lo ao Estado. Então o canal foi ilegalmente vendido para a Ideal TV – que pertence também à Kalunga – por 290 milhões de reais como uma bomba-relógio – e o Ministério Público interviu. Os funcionários foram contratados e o canal colocado no ar e a gerência estava ciente da situação. Infelizmente o super ministro da justiça já saiu do governo e não pôde impedir essa mamata.

Alguns membros no elenco do canal Loading

O mais curioso veio à tona agora: Um dia antes da demissão de todos os funcionários da Loading, os donos da Jovem Pan e CNN Brasil visitaram as dependências do prédio acompanhados do Ministro das Comunicações do governo Bolsonaro. Contudo, investir na TV aberta era um plano mais do ex-CEO da CNN – sua substituta tem olhos maiores no streaming. Assim, sendo o candidato “mais bolsonarista”, a Jovem Pan ficará (também ilegalmente?) com o antigo canal de games para falar de política (mas só se for pra falar bem do atual governo).

Parece que esse jogo, no fim, era só um jogo político. E os donos da bola gritaram “tirem esse game da minha política!”.

“Um forte abraço, gamers!”

[ATUALIZAÇÃO] A Jovem Pan confirmou em seu programa “Pingos nos Is” que venceu a CNN Brasil em concessão pública e agora é dona do canal 32 – diferente da Loading que foi comprada ilegalmente do grupo Abril

Formado em Design de Games pela Universidade Anhembi Morumbi e com mais de 5 anos de experiência como Motion Designer e Editor de Vídeo, já palestrou sobre GameDev e leva os joguinhos à sério por mais que sua mãe diga que não dá dinheiro (não dá)

Mais em Artigos

Topo