Another Round

Crítica | Another Round – Uma Tese Sobre Álcool e Angústia

Lançado em 2020, Another Round é um filme do diretor dinamarquês Thomas Vinterberg, popular por dar início ao movimento Dogma 95, ao lado de Lars von Trier. Assim como em The Hunt (2012), o diretor traz Mads Mikkelsen como protagonista, ator presente no jogo Death Stranding (2019), vencedor do TGA 2019 na categoria melhor atuação. Neste filme o ator volta ao ápice de seus papéis dramáticos, sendo um professor de história chamado Martin. Sem confiança, entediado e desiludido com vida, o protagonista entra de cabeça numa tese sobre o álcool, de acordo com ideias da filosofia e da psicologia, numa esperança de melhora em sua vida.

Mads Mikkelsen atua de forma impecável em Another Round.
Mads Mikkelsen atua de forma impecável em Another Round.

A premissa de Another Round é um experimento elaborado por quatro professores de ensino médio que decidem ingerir álcool em todas situações do dia. A ideia veio com base na teoria de Finn Skårderud’s, filósofo e psiquiatra norueguês, que afirma que o ser humano tem um déficit de 0,05% de álcool no corpo. Por conta disso, quando preenchemos esse déficit, nos sentimos mais relaxados e melhores consigo.

Neste caso, é um filme voltado para uma análise do uso de álcool, trazendo diversas perspectivas sobre o assunto e caracterizando o uso da substância na Dinamarca, junto com uma visão cultural europeia sobre as bebidas. Também carrega informações e trívias sobre drinks e figuras históricas que faziam uso da substância. Mas não de um jeito maçante, como puramente uma tese, se mostrando um filme divertido, que realça com fidelidade os momentos de prazer no consumo das bebidas.

“O que é juventude? Um sonho. O que é amor? O conteúdo de um sonho.” KIERKEGAARD, Søren

A atmosfera sombria está presente também, e representa bem os altos e baixos do alcoolismo, entrando numa questão existencial e filosófica sobre o álcool como subterfúgio para a ansiedade. Neste quesito, o filme se debruça sobre as ideias do filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard, que eternizou seu trabalho sobre a angústia e o desespero, sendo influente para o movimento existencialista na filosofia e para a psicologia.

Na visão de Kierkegaard a angústia é um sentimento que vem quando estamos diante de uma decisão, trazendo a ambiguidade de nossos desejos em relação à nossa liberdade de escolha. Essa consciência da liberdade de escolha é aterrorizante e, na intimidade religiosa do filósofo, predispõe ao pecado. Tendo isto em mente, o filme ilustra a vida de Martin numa oscilação entre a angústia e o prazer da vida, muito entrelaçado ao uso de álcool. 

Além da trama envolvente e aberta, Another Round traz uma trilha sonora excepcional e muito bem utilizada. Em suas faixas há artistas clássicos como Tchaikovsky, mas também músicas pops modernas, como o tema do filme, intitulado “What a Life”, de autoria do trio pop dinamarquês Scarlet Pleasure. Essas músicas preenchem os cenários frios da Dinamarca, mas também atingem o ápice da felicidade dos personagens, realçando o filme com uma aura positiva.

A impressão é de que o longa se livra dos moralismos em relação à bebida, e expressa o máximo de perspectivas possíveis sobre os assuntos que aborda. Essas perspectivas oscilam em gerações, rodeando a relação entre os professores e os seus alunos, de encontro aos seus métodos de ensino. Apesar de fazer menções à postura política europeia perante às bebidas, o filme traz um contexto interno da Dinamarca, valorizando e extraindo o máximo dessa cultura. 

No geral, Another Round tem bastante à nos dizer sobre bebidas alcoólicas, com uma visão bem honesta, que não se perde da naturalidade e estética marcante do cinema dinamarquês. Os momentos de brilho e as cargas emocionais resultam na atuação brilhante de Mads Mikkelsen, que vai ao extremo de seu potencial — chegando até à dançar. Porém o filme respira, e traz um desenrolar aberto, propício ao teor reflexivo carregado pelos diálogos e citações do roteiro. 

Por fim, o novo filme de Thomas Vinterberg é um suspiro aliviado para as produções cinematográficas de 2020, além de ser uma mensagem de afirmação da vida, celebrando esse prazer saudoso que já se perdeu em meio à pandemia. Todo conjunto do filme é balanceado, e proporciona uma experiência que nos motiva à pensar, mas nos entretêm em grande parte de sua duração. Misturar álcool, filosofia, cultura europeia e Mads Mikkelsen, se mostrou a fórmula para esta obra bem captada, que inicia numa ideia de tese e finaliza numa expressão de vida. 

Crítica| Another Round – Uma Tese Sobre Álcool e Angústia

Edisson Schwartzhaupt

Another Round

Another Round é uma experiência honesta, cheia de perspectivas que busca compreender o uso do álcool nas mais diversas circunstâncias. Divertido e dramático, o filme faz ótimo uso da cultura europeia para ilustrar uma narrativa filosófica sobre a vida.

5
Jornalista crítico e pós-graduando em Filosofia. Atualmente sou redator no site Torre de Controle.