Análise | OctoMaze – Casual, mas nem tanto

OctoMaze é um jogo de pluzze ainda em acesso antecipado, desenvolvido pela Octagon Game Studio e já disponível na Play Store, com promessa de lançamento também na App Store e Microsoft Store. A premissa do jogo é bem simples: você é um polvo chamado Aristóteles que tem que coletar moedas, destruir inimigo, apertar botões no cenário com seu tentáculo e coletar itens para passar à próxima fase. Tem até uma história:

“Artefatos inestimáveis ​​foram roubados há muito tempo da tribo polvo por seus eternos rivais – parasitas nojentos. Esses parasitas infestaram todo o reino desde então. Para impedir que os parasitas se espalhem e salvem a tribo, os artefatos precisam ser devolvidos ou tudo está perdido. O jovem polvo Aristóteles passou anos em busca, tornando-se um aventureiro. Agora, outro artefato está localizado, as chaves são encontradas e outro capítulo está prestes a terminar em breve … ou está?”

OctoMaze possui uma diversidade impressionante de desafios, mesmo para um jogo premium. Em algumas fases é necessário coletar bombas para destruir blocos e habilitar passagens ou revelar moedas (bem ao estilo Bomberman), em outras é necessário acionar lança-chamas (Elon Munsk aprova!) para destruir inimigos, coletar tesouras para cortar teias de aranha, instalar armadilhas para retardar o avanço dos inimigos, minas, bombas etc. As fases são agrupadas em áreas, como por exemplo, florestas, laboratórios, cidade, ferro velho, espaço, oceano, etc.  Vale a pena dar uma conferida no site oficial do jogo.

O tentáculo de Aristóteles se move em um grid quadricular, saindo por um buraco no cenário, sendo comandado pelo dedo na tela. Cada fase possui um determinado número de vidas, sendo necessário reiniciá-la caso se esgotem. Por isso, o timing para tirar o dedo da tela, de forma que o tentáculo se retraia é essencial para transpor alguns desafios. Ao final de cada fase, é atribuída uma classificação de até três estrelas, conforme o tempo em que foi concluída.

Algumas fases exigem um maior esforço, outras já são bem complicadas e  acabam por atrapalhar um pouco o ritmo do jogo, levando em conta sua proposta casual. É recomendado que se desabilite os atalhos de gestos de toque nas bordas da tela no Android, pois nas fases em que a visão é mais longe do “tabuleiro”, o grid em que se movimenta o tentáculo é menor e ao transitar pelas bordas é comum que se toque nas bordas da tela.

Apesar de suas qualidades, OctoMaze poderia se perder pela enorme quantidade de jogos de puzzles Free-to-play que inundam a Play Store, mas o preço de R$ 14,99, apesar de parecer pouco convidativo, é bem honesto pela variedade de desafios e a quantidade de conteúdo presente. É um jogo recomendado para todos aqueles que gostam de jogos casuais e também para quem quer um desafio maior, que não tem problema em passar mais que alguns minutos tentando passar daquela fase mais difícil. De qualquer forma, fica a dica de experimentar a demo, que pode ser baixada na Play Store.

O jogo foi cedido gentilmente pela Octagon Game Studio. Foram utilizados um Xiaomi Mi 8 Lite e um Asus Zenphone 5 (2014) nesta análise e em ambos, o jogo não apresentou problemas de performance.

A primeira vez foi com Golden Axe, tão pequeno que precisava usar um banco para alcançar os controles do fliperama. Passou por todas as gerações de consoles e joga no PC desde 199. Fã de RPGs, jogos de corrida, indies e qualquer jogo com uma boa história.