Análise | Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 é a manobra mais bem executada da Activision.

Tony Hawks Pro Skater 1+2

Sabe aquela sensação de estar em um lugar tranquilo e agradável que os terapeutas te mandam imaginar para se acalmar? Bem, o meu lugar tranquilo e agradável provavelmente é no início dos anos 2000, no fliperama com os amigos, bebendo um Baré KS e tentando superar a pontuação do colega nas fases de Tony Hawks Pro Skater. Certamente não conseguimos voltar ao tempo e reviver esses momentos, mas a Activision nos presenteou com um Remake tão sensacional e eficiente que, a primeira sensação que se tem ao colocar as mãos no controle e ligar o Tony Hawks Pro Skater 1+2 beira o transcendente e nos entrega uma experiência com uma carga saudosista extrema, mas com novidades que abrilhantam ainda mais o que tem tudo pra ser um dos melhores jogos de 2020.

Um dos trunfos em relação aos seus antecessores, os últimos jogos da franquia Tony Hawk’s, está a jogabilidade fluida e precisa do Remake. Os originais eram muito divertidos e seus comandos eram simples e diretos, aqui conseguiram com maestria maximizar e modernizar a jogabilidade, nos permitindo executar combos longos e de pontuação extremamente alta quando passamos a dominar bem o nosso personagem. Foram acrescidos algumas possibilidades de manobras a mais em relação ao clássico, tais como os Reverts, Sick Transitions e Wall Plants.
O Tutorial do jogo é dublado em português e é possível utilizar também as legendas em Português o que facilita bastante na curva de aprendizagem do jogo. Fica fácil se adaptar as mecânicas através dele, mas para os jogadores um pouco mais experientes na franquia ou em games de simulação, pode ser um pouco moroso e burocrático.

Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 traz consigo cenários clássicos repaginados e lindíssimos com um total de 17 pistas além de 2 pistas secretas e, não se engane, você vai se pegar em vários momentos contemplando o quanto fizeram um bom trabalho na recriação dos cenários. Além das pistas clássicas, todos os personagens do game original estão aqui, incluindo o brasileiro Bob Burnquist, e tivemos a adição de alguns rostos da nova geração, como é o caso da também brasileira Letícia Bufoni. É importante ressaltar que cada personagem possui diferentes características e pontos fortes variados e, além disso, você tem a possibilidade de melhorando os atributos que julgar necessário para aprimorar as possibilidades do seu gameplay.

O modo “Tours de Skate” é o ponto de partida e aqui, para desbloquear as pistas subsequentes, é necessário cumprir uma série de desafios num tempo determinado de 2 minutos. Os desafios incluem níveis diferentes de pontuação, a coleta das letras que formam a palavra “SKATE”, encontrar uma fita ‘VHS’, etc. Essa dinâmica de desafios aumenta a longevidade do jogo, principalmente para aqueles jogadores que gostam de cumprir todos os desafios propostos e, para realizar essa façanha, você deverá gastar um bom tempo em cada pista.
Para obter êxito nos desafios de altas pontuações, é preciso fazer combinações de manobras para formar os famigerados combos, então aqui você tem a base sólida do jogo nesse quesito. É preciso ligar manobras no ar a deslizadas nos corrimãos, aos Wall Plants e, se possível, a uma manobra especial. Um aspecto que foi melhorado em relação ao clássico é a animação que o personagem executa logo após a queda: no primeiro jogo era preciso esperar que ele se levantasse e saísse novamente mas, no Remake a animação é quase que a de um teletransporte e ocorre em uma velocidade mais curta, permitindo com que você volte a ação de maneira mais rápida.

Além do modo “Tours de Skate”, é possível também jogar o Multiplayer, seja online ou mesmo local com a tela dividida, e nesse ponto o game da um show! Tem sido cada vez mais comum nos jogos com opção de Multiplayer a estarem limitados a jogatina online, portanto, casos como esse são louváveis e merecem reconhecimento. É muito divertido competir em split screen para tentar ver quem executa mais combos ou quem termina com a pontuação mais alta.
Outro aspecto importante é a possibilidade de desenvolver e criar sua própria pista, e tudo isso é feito de uma maneira tão simples e intuitiva que você vai se ver “perdendo” horas no desenvolvimento. Ao finalizar, você pode testá-la e, caso entenda que ela é digna de entrar no circuito, você pode compartilhá-la com outros jogadores, bem como experimentar a pista de outros players.

A trilha sonora é, certamente, um dos pontos mais altos do game e um dos grandes fios condutores da nostalgia, já que temos os clássicos como “Guerrilla Radio”, “Superman” e a adição da canção que foi fruto de uma petição e enorme mobilização nas redes sociais : “Confisco” do Charlie Brown Jr.

Veredito

Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 é o remake perfeito para quem experimentou os primeiros jogos na longínqua geração do PSOne, e é o jogo ideal para quem quer iniciar na franquia sendo extremamente acessível em termos de mecânicas, belo em visual e que está incrivelmente bem otimizado. Toda a minha experiência com ele foi no PC, onde o game não apresentou nenhum problema de queda de frames ou stuttering.
O único defeito do game não é nem um aspecto dele em si, mas sim da Epic Store onde o game é distribuído. Eu não consegui entender como uma internet de 300mb de download na fibra ótica conseguiu demorar pouco mais de 6 horas para baixar e instalar um game com pouco mais de 20GB. Enfim, a contradição.
O game foi lançado para Playstation 4, Xbox One e PC.

A análise foi feita com uma key cedida gentilmente pela Activision para PC.

  • Diversão
  • Jogabilidade
  • Gráfico
  • Som e Trilha Sonora
4.8

Resumo

Tony Hawk’s Pro Skater 1+2 é, definitivamente, uma experiência que não pode ser ignorada, tanto para fãs de longa data, quanto para entusiastas. O game empolga com seu gráfico, jogabilidade e encanta com uma trilha sonora rica e maravilhosa.

Jogador de shooter, survival horror, horror games e todos seus sub-gêneros. Músico e fã de Queen, Muse e Avenged Sevenfold. Idoso de alma e amante de café.