Crônica|Um dia tudo há de acabar

Final de semana chegando, você e seus amigos estão preparando aquela jogatina monstra, a chinela vai cantar. O Monster já foi comprado. O refrigerante tá geladinho. Os petiscos no jeito. Não há mulher, filho ou responsabilidade que os possam impedir. E a gloriosa jogatina acontece. Na semana seguinte passam dias comentando o quão épico foi. E já se preparando para o próximo final de semana.

As semanas passam. Os jogos mudam. Os consoles mudam. Os amigos continuam. Mas às vezes um de vocês falha. Precisa trabalhar, ou namorar, ou viajar, ou qualquer outra coisa. E vocês comentam sobre a jogatina épica e atualizam o parceiro que perdeu a jogatina. Combinam de jogar no final de semana. Mas agora outro quem furou. Seja pelo motivo que for. E assim segue o ciclo.

Quando você olha no espelho, já passou da casa dos 30. A jogatina já não acontece todos os finais de semana. Agora há a responsabilidade. Filhos. Esposa. Uma casa pra cuidar. Agora não tem como dar 250 paus num lançamento. É isso ou pagar a Internet. E todos sabemos a escolha a ser feita

Eventualmente se encontram. Relembram do passado. Falam com nostalgia de um período que jamais retornará. Agora os filhos quem ficam jogando todos os finais de semana com os brothers. No máximo da pra fugir pra um futebol na semana. Isso quando a esposa não encrenca. E é isso. Trabalho. Casa. Mais trabalho. E tudo o que você mais queria era poder pegar o controle, reunir os amigos e jogar por algumas horas.

Talvez hoje isso não seja a realidade pra você. Mas um dia isso vai acontecer. Quando você tem 15 anos, sua conversa é sobre filmes, séries e coisas sem sentido. Quando se está nos 30, a coisa muda. Seu papo muda pra bolsa de valores, investimentos, e como ganhar mais dinheiro. É o ciclo natural da vida.

Um dia, sem percebermos, iremos jogar uma última partida de alguma coisa com os amigos que amamos sem saber que aquela será a última partida. Pra sempre. E você vai lembrar e pensar “caramba, podia ter aproveitado mais”, mas você não aproveitou. Então pare de olhar pra trás e valorize o que você tem hoje.

A sua última partida pode ser hoje, pode já ter acontecido, mas no final, acredito eu, somos todos uma só coisa: gamers. E um gamer jamais dá game over, vivemos no continue, até a coisa dar certo.

Um treinador de Pokémon aposentado que quer se tornar profissional de futebol de botão. Ama joguinhos mais que tudo e prefere debater ideias e teorias sobre eles do que necessariamente jogar. Power metal é água, ou seja, a fonte de vida.